O que são as diabetes tipo 1 e tipo 2

O que significa ter o nível de açúcar elevado no sangue? Talvez você esteja sob imenso estresse, não tenha tido a melhor dieta ultimamente ou tenha sido bastante inativo. Mesmo uma refeição grande e com alto teor de carboidratos levará a um aumento de açúcar no sangue. Se alguma vez você registrou um alto nível de açúcar no sangue, não significa que está imediatamente em risco de ter problemas de saúde. Porém, um alto teor consistente de açúcar no sangue deve ser levado a sério, pois pode estar relacionado a alguns problemas de saúde, como diabetes.

Tanto diabetes tipo 1 e tipo 2 são caracterizados por altos níveis de açúcar (glicose) no sangue. Em humanos saudáveis, os níveis de glicose são controlados pela secreção de insulina do pâncreas: ela atua como um regulador, diminuindo os níveis de glicose no sangue conforme necessário.

O diabetes tipo 1 geralmente começa na infância e é considerado uma condição autoimune. Nos casos de diabetes tipo 1, o pâncreas produz pouca ou nenhuma insulina. Em grande parte dos casos, o tipo 1 é causado por uma predisposição genética – o que significa que muitas pessoas nascem assim.

Já o diabetes tipo 2 é muito mais comum, representando a maioria dos casos. Esta forma de diabetes é tipicamente desenvolvida em crianças mais velhas e adultos, mas pode ocorrer em pessoas de todas as idades. No diabetes tipo 2, o organismo não usa corretamente e armazena a glicose porque não responde à insulina. Diabéticos também tendem a ter outros problemas de saúde, muitas vezes relacionados ao coração, rins, olhos e vasos sanguíneos.

Mesmo antes do diagnóstico, ter altos níveis de açúcar pode ser prejudicial à sua saúde e ser um sinal de que você está no caminho para o desenvolvimento de diabetes tipo 2. Essa condição é chamada de “pré-diabetes”: significa que você tem níveis de açúcar mais altos do que o recomendado (possivelmente devido à resistência à insulina), mas abaixo do que é considerado na faixa dos diabéticos.

Para as pessoas que são consideradas com sobrepeso e têm níveis elevados de glicose no sangue, melhorar a composição corporal pode ajudar a reduzir os níveis de glicose, diminuindo assim o risco de desenvolver diabetes tipo 2. Muitos estudos mostraram que o excesso de peso está associado à hipertensão e ao diabetes tipo 2. Não há um tamanho único para todos e cada pessoa. No entanto, o índice de massa corporal (IMC) abaixo de 25 é considerado dentro da faixa de peso normal.

Manter o peso saudável é fundamental para a saúde geral. Mesmo um modesto ganho de peso pode ter um impacto substancial no desenvolvimento de doenças. Por isso, o monitoramento cuidadoso e a manutenção são importantes para a saúde geral, especialmente no caso da prevenção do diabetes.

Este artigo foi originalmente publicado pela HVMN.
Fotos Unsplash

Dieta cetogênica e gripe: qual é a relação?!

Você decidiu experimentar a dieta cetogênica. A dieta pobre em carboidratos e gorduras pode ser ótima para diminuir o peso corporal e pode dar-lhe um impulso no desempenho de resistência, mas o corpo muitas vezes precisa de um pouco de tempo para se adaptar ao uso da gordura como sua principal fonte de energia. Muitas vezes, há alguns sintomas envolvidos durante esse período de adaptação.

Esses sintomas são chamados de “gripe-cetogênica”, um conjunto comumente experimentado de efeitos colaterais associados à retirada de carboidratos. Os sintomas relatados incluem: alterações de humor, irritabilidade, fadiga e tontura. Isso pode soar como sintomas de abstinência do abuso de substâncias. Curiosamente, estudos recentes compararam o efeito dos carboidratos (particularmente açúcar) no cérebro com o efeito de drogas viciantes como a cocaína. Esses sintomas da cetogênica podem durar entre um dia a duas semanas.

O que causa o gripe cetogênica?

Os carboidratos normalmente contribuem muito para as necessidades de energia do corpo. Quando eles são restritos na dieta, o corpo responde através de uma série de mudanças para a transição do uso de glicose como fonte de energia para o uso de gordura como fonte de energia, bem como cetonas.

Essa troca de engrenagem pode ser entendida como uma resposta positiva do organismo; mas também é o motivo da gripe cetogênica. Primeiro, o açúcar no sangue cai e causa hipoglicemia, que é a baixa de açúcar no sangue. Depois, mudanças ocorrem em outros sistemas corporais que alteram os níveis de eletrólitos, água e hormônios – o que pode levar à desidratação durante a dieta cetogênica.

Evite estas atividades se você está experimentando a dieta cetogênica

Como com qualquer tipo de doença, seu corpo reagirá com algumas limitações físicas ou até mesmo mentais. Se você não está se sentindo 100%, não deve forçar o seu corpo. Embora esses sintomas parecidos com os da gripe possam ser temporários, o ideal é que você espere até que os sintomas desapareçam antes de fazer:

  • Atividade física extenuante;
  • Extrapolar o seu horário de dormir;
  • Contar calorias.

Recomendação

A Organização Mundial da Saúde (OMS) preconiza que a distribuição dos macronutrientes para indivíduos saudáveis seja de: 55 a 75% de carboidratos, 10 a 15% de proteínas e 15 a 30% de gorduras. A dieta cetogênica vai completamente contra a orientação da OMS e ainda pode causar uma série de problemas de saúde. Por isso, a grande maioria dos médicos nutrólogos e nutricionistas não recomendam que as pessoas façam a dieta cetogênica para a perda de peso.

Esta dieta só é orientada para crianças com crises de convulsão e mesmo assim deve ser realizada com acompanhamento médico. Diversas pesquisas mostraram que este tipo de dieta ajuda a reduzir a quantidade de crises de convulsão, mas mesmo neste caso a dieta deve ser realizada com supervisão médica.

Este artigo foi originalmente publicado pela HVMN.

Doença celíaca: alta sensibilidade ao glúten

Você provavelmente já ouviu todo o buxixo recente sobre a sensibilidade ao glúten. Talvez você tenha um amigo que o aconselhou a tentar reduzir o desconforto abdominal cortando o glúten. Mas, afinal, o que é a sensibilidade ao glúten? As pessoas que realmente têm sensibilidade ao glúten, na verdade, sofrem da chamada doença celíaca.

Cerca de 1% da população geral sofre atualmente de doença celíaca. No entanto, este número é provavelmente subestimado devido aos pacientes que permanecem sem diagnóstico. Outros problemas gastrointestinais comuns, como a síndrome do intestino irritável, podem imitar a doença celíaca e esses pacientes não percebem que a tem.

spike-8743_640

A doença celíaca tem um componente genético e pode ser transmitida de pais para filhos. Pode apresentar-se em qualquer idade e às vezes é diagnosticada mais tarde, na vida adulta. Ela provoca sensibilidade ao glúten, uma proteína encontrada em cevada, centeio e produtos de trigo, que, quando ingerido, provoca uma resposta do sistema imunológico em pessoas que não podem tolerá-la, causando inflamação no intestino delgado, o que pode conduzir a inúmeros de problemas de saúde.” – Artigo original em Scientific American.

Por isso, a qualquer sintoma diferente, indisposição, mau funcionamento do intestino, alteração de humor ou baixo rendimento, procure um médico e peça que ele investigue a fundo a sua relação com o glúten.

Quanto antes descobrir e realizar as modificações necessárias na alimentação, melhor será sua produtividade, desempenho e qualidade de vida. A prevenção, e não a enfermidade, é o motivo mais inteligente para usar e abusar dos conhecimentos da medicina. Ame-se, cuide-se e respeite-se. Equilibre-se!